Goiás

Paulo Rogério Pinheiro abre o jogo, enumera dificuldades do Goiás neste início de temporada e se desculpa por ‘todas as falhas’

Confira!

Por: Danyela Freitas 08/04/2022 10:18

Em pronunciamento, Paulo Rogério Pinheiro, presidente do Goiás, deu respostas ao torcedor. Primeiramente, relatou momento difícil pelo qual vem passando na vida pessoal. Depois, o dirigente se desculpou com a torcida e analisou situação da equipe esmeraldina. Por fim, o mandatário comentou sobre suas críticas à Federação Goiana de Futebol (FGF), mas não voltou atrás. Confira tudo com as Feras do Esporte!

“Apesar das dificuldades que estou vivendo, meu pai hoje se encontra na UTI, consciente, venho aqui falar. No sábado, ele estava bem, mas no domingo passou mal e teve que ir para Brasília. Além disso, tem a minha mãe, que está acamada há alguns anos. Portanto, a situação está bem delicada. Por mais que meus amigos próximos, minha família e algumas pessoas do Goiás tenham pedido para eu me afastar do Goiás, decidi não me afastar. Assim, vou doar tudo que eu tenho da minha saúde e da minha vida para esse time. Sendo assim, vou até onde meu corpo aguentar. Peço orações, apenas.”

Paulo Rogério Pinheiro esclarece problemas com a venda de ingressos

“Primeiramente, quero me desculpar com torcida pelo que aconteceu na semana do jogo da decisão do Goianão. São dois fatos atípicos. Em primeiro lugar, nossos servidores caíram. Eles não ficam no Brasil, é de uma empresa multinacional. Em seguida, colocamos à venda os ingressos na forma física. Foi complicado. Isso é uma prova de que vale a pena fazer o sócio-torcedor. […] Além disso, teve o problema do derrame de ingressos na mão de três pessoas. Identificamos o funcionário e o afastamos. É uma coisa interna nossa, que está resolvida. A partir disso, eu peço desculpa por essas falhas da gestão que não condizem com o que eu gosto de gestão.”

>> LEIA MAIS: Goiás tem quatro desfalques para encarar o Coritiba; confira!

O futebol do Goiás e o futuro de alguns jogadores

“Não é porque perdemos um título para o Atlético que está tudo errado. Nós entramos quebrados. Agora vocês entendem o porquê da troca da gestão e da comissão técnica passada. Ademais, entramos sem cinco titulares e ainda teve a polêmica com a arbitragem no primeiro jogo. Agora, para o Campeonato Brasileiro, vamos começar todo remendando. No entanto, chegarão outros jogadores. A saber, até o dia 12 de setembro, chegarão mais peças.

https://batershopp.com.br/

E lembrando: o Goiás não tem condições de trazer jogadores caros. Não adianta sonhar com atleta de R$ 250 mil, R$ 300 mil, R$ 400 mil. Nós não temos esse dinheiro para trazer. Em contrapartida, renovamos com alguns jogadores. O Tadeu, por exemplo, já sinalizou que vai ficar aqui até o fim da carreira dele. Inclusive, já estamos desenvolvendo um pensamento de gestão futura para ele. Além dele, agora, o Nicolas é 100% do Goiás. Por fim, renovamos com o Elvis, nosso capitão e líder dentro e fora de campo.”

Paulo Rogério Pinheiro fala sobre a chegada de um treinador e reforços

“Para trazer um treinador que não seja do nível nós queremos, que chega e resolva, que é um treinador de R$ 400 mil, R$ 500 mil, R$ 600 mil, nós não vamos trazer. Portanto, para vir, tem que ser um desse. Para trazer um que chegue e faça o que fizeram mês passado, não vamos trazer. Eu errei. Jamais deixarei de ser omisso ou deixar de botar a cara com medo de apanhar. Por fim, vai dar certo. Confiem na gente. No entanto, agora, nossa prioridade é trazer os jogadores certos. Tem jogadores paulistas, gaúchos, mineiro. Então peço desculpa por todas as falhas.”

Polêmica com a FGF

“Para terminar, em público, quero pedir desculpas à Federação Goiana de Futebol (FGG) pelos adjetivos ela disse que eu usei após o primeiro jogo da decisão. Por isso não gosto de dar entrevista nem na vitória nem na derrota. No calor da emoção, exagerei. Contudo, não retiro as críticas construtivas, que a instituição tem que se modernizar, tem que sair da zona de conforto e repensar na arbitragem.

Para onde estamos caminhando com o Campeonato Goiano? Não é hora da Federação investir em executivos no mercado e arrumar o quadro de arbitragem? Não sei omitir opinião, mas algo tem que ser feito. […] O Goiás se modernizou. O Atlético-GO se modernizou. O Vila Nova idem. A Aparecidense também. Entretanto, e a Federação? Lembrando que a Liga vai sair do papel em 2024. Com isso, a Liga não tem data para a competição regional.”

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


NOTÍCIAS

podcast