Exclusivo! “Queremos levar a Aparecidense para romper fronteiras” Elvis Mendes sobre duelo que pode definir o acesso do clube para a Série C

Em entrevista exclusiva para as Feras do Esporte da Rádio Bandeirantes, o Presidente da Aparecidense, Elvis Mendes falou sobre o grande duelo que pode levar a Aparecidense para a Série C do Campeonato Brasileiro 2022. No confronto de ida pelas quartas de final da Série D, no Parque Sabiá, a equipe goiana venceu o Uberlândia […]

Por: Ana Lívia Luis Dias 15/10/2021 14:35

Em entrevista exclusiva para as Feras do Esporte da Rádio Bandeirantes, o Presidente da Aparecidense, Elvis Mendes falou sobre o grande duelo que pode levar a Aparecidense para a Série C do Campeonato Brasileiro 2022. No confronto de ida pelas quartas de final da Série D, no Parque Sabiá, a equipe goiana venceu o Uberlândia por 1 x 0, e agora no jogo de volta que acontece neste sábado (16), em Aparecida de Goiânia, a Aparecidense precisa apenas um empate contra a equipe mineira, para conquistar o tão esperado acesso.

EURODIESEL NOTICIA

”Desde que assumimos a Aparecidense, tínhamos esse objetivo de colocar a Aparecidense em voos mais altos, até então o time ficava só no Campeonato Goiano, e agora queremos levar a Aparecidense para romper fronteiras. Eu assumi essa missão na época a convite dos saudosos Maguito Vilela e João Rodrigues Cocá, que fizeram com que eu aceitasse esse convite. O Maguito achava que a Aparecidense precisava se profissionalizar e ele achava que eu era essa pessoa que poderia fazer isso pela Aparecidense, acredito que tenho conseguido, lógico que três anos são pouco, mas nós temos mudado muito a cara da equipe, nosso objetivo é subir para a Série C, ano passado batemos na porta, as pessoas pensam que quarta divisão é fácil, mas você encontra time grande como é o caso do Mirassol que nós enfrentamos ano passado, se formos comparar nós tínhamos 10% da folha que um jogador deles tinham”.

O Presidente do camaleão, falou sobre todo processo de Reformulação que foi feito no elenco em sua gestão, para que tornasse esse sonho possível.

”Essa reformulação foi complicada e dolorosa, até brinquei que o Cocá foi embora e deixou essa missão pra mim, porque tem jogador que está lá a mais de dez anos, por exemplo, o Washington ( aposentado), que foi nosso camisa 10 por muito tempo, você chegar em um jogador desse que é histórico e falar sobre isso, é uma situação chata mas temos que ser profissionais, você tem que saber que precisa tomar decisões que vão desagradar alguns e agradar outros, a reformulação foi dolorosa porque sabíamos que íamos perder muitos jogadores”

Orçamento do clube

”Na Série D deste ano, eu tinha um orçamento muito baixo, fiz uma reunião com o Thiago Carvalho e o João Vitor, onde eu disse o que eu tenho é isso aqui, então nós fomos em busca de parceiros com o conhecimento que temos e com parceiros da minha empresa mesmo e industrias de São Paulo que ajudam a Aparecidense, então foram aparecendo esses recursos, então eu chamei o João Vitor e disse, é o seguinte vamos segurar a estrutura do time, é o Pedro Henrique, Bruno Henrique, Robert e Rodriguinho, foram os jogadores que nós conversamos primeiro e são titulares. O Alex Rodrigues tinha proposta, e nós não tínhamos como segurar, nós tínhamos um relacionamento muito bom com ele e falamos pra ele que  não tínhamos dinheiro para segura-lo. o Wesley Matos foi um dos que eu optei por segurar, até fiz um esforço maior, porque eu pensei em mesclar a juventude com a experiência, foi um processo doloroso mas que conseguimos acertar. Quando nomeei o Thiago Carvalho como treinador eu levei muita pancada, as pessoas questionaram, que a Aparecidense estava treinando o treinador, então nós estamos  no dia a dia e a gente vê os treinamentos, eu gosto da forma dele trabalhar e gosto da leitura de jogo que ele tem, acho que ele tem perfil pra ser treinador de time grande”.

Negociação do meia Albano e apoio do Goiás 

”Eu conversei com o Harlei e com o Paulo Rogerio e disse que nesse ano eu iria precisar muito do Goiás, que sempre ajudou muito a Aparecidense historicamente, mas que esse ano eu iria precisa mais, porque eu não tinha dinheiro. Mas hoje não temos nada atrasado está tudo pago em dias, a Aparecidense está disputando a Série D com menos dinheiro da vida dela e provavelmente a Série D que vai trazer o acesso, então foi uma gestão que está conseguindo fazer pouco com muito dinheiro”.

A Aparecidense já venceu 11 jogos, empatou cinco e perdeu apenas três. São ao todo 23 gols marcados e somente 10 sofridos. Ano passado a equipe fez uma boa campanha, mas foi eliminada pelo Mirassol nas quartas de final e por muito pouco não conseguiu o acesso. ”Conversei com os jogadores, ter muito foco e objetivo na mente, não tem oba oba, já ganhou, o jogo é difícil, eles vão vir com a faca nos dentes, sabemos que é difícil, mas demos um passo muito importante”, finalizou.

O jogo de volta pelas quartas de final, entre Aparecidense e Uberlândia acontece neste sábado(16), às 15:00 horas em Aparecida de Goiânia, no Estádio Aníbal Batista de Toledo.

Juliana Cardoso

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


NOTÍCIAS

podcast